Inimiga do consumo automotivo

Por Jayme Buarque de Hollanda* – Um dos principais desperdícios de energia no Brasil se deve à aerodinâmica dos veículos, que aperfeiçoada pode reduzir substancialmente o consumo de combustíveis, sobretudo dos caminhões de uso rodoviário, que trafegam em velocidades muito elevadas.

Quando um veículo se desloca em velocidade constante, o motor trabalha basicamente para vencer as forças representadas pelas resistências de rolamento dos pneus e do ar (ou força de “arrasto”). A primeira é oferecida pelos pneus que se deformam continuamente para criar uma área de contato com o solo, fundamental para a frenagem do veículo. Embora possa ser reduzida, os saltos de eficiência são poucos.

A força de arrasto, porém, ainda pode ser consideravelmente reduzida. Sua natureza é muito diferente, pois aumenta mais que proporcionalmente à velocidade: a 100 km/h ela é dobro da observada a 50 km/h. Assim, melhorando a aerodinâmica dos veículos é possível reduzir consideravelmente o consumo de energia em altas velocidades.

As crises do petróleo e incentivos à redução de emissões, à exemplo do programa Proconve no Brasil, contribuíram para que as montadoras de veículos reduzissem a força de arrasto de carros leves. No entanto, estima-se ainda haver potencial para reduzir até metade do nível atual.

Nos ônibus a força de arrasto é superior ao dos carros, pois seu formato de paralelepípedo dificulta as soluções de aerodinâmica. Nos caminhões é ainda maior, pois normalmente o chassi, baú e reboques são projetados e fabricados de forma independente e sem uma integração otimizada de formatos.

Por outro lado, caminhões conseguem reduzir o arrasto com defletores, spoilers e outros acessórios que diminuem o impacto do ar entre a cabine e o baú, entre os reboques, nas laterais dos pneus, mas o seu uso ainda é pequeno no Brasil.

Reduzir o arrasto interessa ao proprietário do veículo, pela economia de combustível, e é da maior importância para o país. Atenuar o arrasto em ônibus e caminhões reduz o consumo de diesel nas estradas, onde as velocidades médias são mais elevadas. Seria a forma mais rápida e de menor custo para o Brasil atingir as metas de redução de emissões, comprometidas internacionalmente, pois 2/3 do diesel usado em transportes é destinado para fins rodoviários.

Conseguir resultados traz desafios práticos, tanto para o estabelecimento de normas que incentivem a redução do arrasto dos veículos, quanto para as áreas científicas e acadêmicas. A definição das formas e superfícies adequadas, por exemplo, depende de complexos programas de simulação, testes em túneis de vento e processos de tentativa e erro.

Não é de admirar que essa área ainda proporcione surpresas: contrariando o senso comum, superfícies não lisas, como das bolas de golfe, e da pele dos tubarões, também reduzem o arrasto e materiais com esse objetivo começam a ser oferecidos para a cobertura de veículos.

Existem, enfim, mais desafios e alternativas em aberto numa área de impacto relevante nos planos econômico e ambiental. Por essas razões, o Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE) organiza um seminário para levantar as principais questões relacionadas, debater e buscar indicações e soluções para esses aspectos.

O “Seminário Resistência do Ar e Eficiência Automotiva” busca examinar e discutir formas de aumentar a eficiência energética do transporte automotivo através do uso de estruturas, superfícies e conceitos que permitam a redução da resistência do ar ao deslocamento (“arrasto”). O evento acontecerá na Academia Brasileira de Ciências (ABC), no Rio de Janeiro, dia 8 de novembro. Mais informações e inscrições pelo site http://arrasto.inee.org.br

* Jayme Buarque de Hollanda é diretor geral do Instituto Nacional de Energia Elétrica (INEE) e presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Veículo Elétrico (ABVE)

Fonte: Ambiente Energia