As dez obras mais sustentáveis do mundo

Por que alguns edifícios construídos nas duas últimas décadas viraram ícones de sustentabilidade

Alguns edifícios construídos nas duas últimas décadas tornaram-se referência em sustentabilidade. A pedido da revista Téchne, dois especialistas elencaram algumas das obras consideradas mais sustentáveis do mundo, por apresentarem, entre outras características, projetos com sistemas eficientes e construção com matérias-primas renováveis.

Antecipada pelo portal PINIweb, a reportagem faz parte do conteúdo extra da edição 162, que circula no final de setembro com um especial sobre sustentabilidade. Confira as obras:

Divulgação

Bank of America Tower, One Bryant Park, New York, EUA
Primeiro edifício a receber a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) Platinum do U.S. Green Bulding Council, concebido pelo escritório de arquitetura Cook+Fox e construído pela Tishman Construction Corporation, o Bank of America Tower, em One Bryant Park, Manhattan, Nova York, é considerado uma das mais eficientes arquiteturas do mundo. O projeto da torre de escritórios, concluída em 2009, custou US $ 1 bilhão, tem 54 andares, 365 m de altura e 196 mil m² de área. A maior parte das matérias-primas utilizadas em sua construção são provenientes de fontes renováveis e recicláveis, obtidas a no máximo 500 km de New York, em consonância com o que a ideologia de construção sustentável pratica. A Tishman Construction Corporation treinou e orientou os subcontratados sobre os métodos de seleção de materiais e construção adequados, além de implementar durante a obra a qualidade de ar interior, garantindo ar fresco e ventilação no edifício em todas as etapas da obra, e para os usuários do prédio finalizado. O concreto foi composto por 45% de escória (subproduto dos altos fornos), e 55% de cimento, eliminando parte do CO2 emitido na produção do cimento; o reuso das águas pluviais e a maximização da energia do sol e da luz natural para iluminar os interiores, graças à transparência do vidro e de seu isolamento, reduziram os custos com energia elétrica.

Divulgação

Council House 2, Melbourne, Austrália
O primeiro edifício de escritórios australiano a receber a classificação Six Green Stars pelo Green Building Council da Austrália, conhecido como CH2, que custou AU$ 50 milhões, foi projetado pelo escritório de arquitetura Mick Pearce com Design Inc., e finalizado em 2006. Com 12.536 m² e dez pavimentos, apresenta design sustentável e eficiência energética, recebendo a certificação por possuir arrefecimento de massa térmica, células fotovoltaicas, turbinas eólicas, reciclagem de esgoto, tetos refrigerados e venezianas de madeira reciclada, equipadas com células fotovoltaicas, que acompanham o sol, promovendo um ambiente interno mais saudável e produzindo 64% menos CO2, se comparado à edificação anterior. A prefeitura estima que o investimento se auto pague em 10 anos.
30 The Bond, Sydney, Austrália

Divulgação

Quando a construtora Lend Lease decidiu transferir a sede para Sydney, consultou os seus funcionários no que dizia respeito às prioridades para o edifício e a comunidade local. Como consequência o edifício, projetado por PTW Architects, Whittaker Hadenham Openshaw e Bovis Lend Lease, surgiu com um design que enfatiza o ambiente interno, a melhor gestão da água, de resíduos e 20% menos emissões de poluentes. Construída sobre o antigo gasômetro local, cuja área teve que ser recuperada, a obra também alcançou cinco estrelas do Green Star and Australian Building Greenhouse Rating Scheme (ABGR), por utilizar ventilação natural, feixes de refrigeração passiva, fachadas sombreáveis, cobertura ajardinada com plantas resistentes à seca, e propiciar vistas a 60% de seus ocupantes.

BMW Welt, Munique, Alemanha

Divulgação

Este é um exemplo de que a engenharia alemã é uma das melhores do mundo. A praça de 73 mil m² e 47,88 m de largura, com forma de duplo cone, que fornece suporte para a cobertura (de uma forma bastante impressionante) é, sem dúvida, a característica de destaque do projeto, assinado por Coop Himmelb (l) para o BMW Group e finalizado em 2007. No telhado do edifício, o conjunto de placas fotovoltaicas, produzidas na Alemanha pela Solarwatt, abastece o edifício com no mínimo 824 kWp de energia, e a rede de painéis de aço que capta o calor, conduzindo-o para a fachada de aço e vidro, ajuda no condicionamento do ar interno do edifício. Dentro do cone, uma espécie de túnel espiralado incentiva a ventilação natural, através de aberturas controladas automaticamente.

Clinton Presidential Library, Little Rock, Arkansas, Estados Unidos

Divulgação

Projetado por Polshek Partnership e finalizado em 2004, o edifício que abriga um museu e biblioteca de 1.900 m², considerado uma das construções mais verdes do mundo, recebeu certificações LEED Sylver e Platinum por vários detalhes. Um deles é a cobertura verde – onde também estão painéis solares -, pensada para absorver carbono, reduzir escoamento pluvial e regular a temperatura, além da maior capacidade de reciclagem, limpeza verde, redução do desperdício através do abastecimento local e compensação de carbono de toda a energia não renovável utilizada. Pode-se destacar também o piso feito de pneu reciclado.

New York Times, New York, Estados Unidos

Divulgação

Idealizado pelo arquiteto Renzo Piano, o edifício com 148.644 m² e 52 pavimentos é promovido como uma estrutura verde, embora não seja certificado pelo LEED. Este é o primeiro edifício construído nos Estados Unidos em cortina de vidro ultra-clear Low-e, que maximiza a luz, e tubos de cerâmica solar que funcionam como um brise. Máscaras mecanizadas, controladas por sensores, reduzem o ofuscamento da luz solar, enquanto mais de 18 mil luminárias fluorescentes dimerizáveis individualmente suplementam a luz natural, proporcionando uma economia de energia real de 30%. O prédio também incorpora resfriamento de ar-livre, trazendo ar de fora quando está mais fresco do que o espaço interior, o que economiza energia adicional. Mais de 95% do aço estrutural é reciclado. A planta de cogeração de gás natural fornece 40% da energia elétrica consumida no interior do edifício com aquecimento e refrigeração. Pisos elevados permitem a distribuição de ar por baixo, exigindo menos energia do que um sistema de refrigeração convencional canalizado. O edifício não possui estacionamento no site, como a maioria dos funcionários vai para o trabalho de transporte público.

Aeroporto de Oslo, Gardermoen, Noruega

Divulgação

O edifício terminal projetado por NSW A+P Viaplan e inaugurado em 1995 é um belo exemplo de seleção de materiais, estruturais onde cada material é aplicado na função que se desempenha melhor: concreto armado na compressão; madeira na flexão, treliças espaciais de aço flexão e conexões. Com 140 mil m², custou U$ 520 milhões, tem sistema de aquecimento, baseado em uma rede de aquecimento urbano que produz calor através de bioenergia.

Parlamento Alemão, Berlim, Alemanha

Divulgação

O antigo Reichstag foi reconstruído em 1999, sob projeto assinado por Norman Foster, para abrigar o parlamento alemão que se transferiu de Bonn para Berlim. A obra se destaca pelo uso intensivo de energias primárias renováveis, como biodiesel, produzido nas imediações do edifício. Um total de 3.600 m² de elementos fotovoltaicos foram instalados na cobertura do prédio, alimentando a rede in-house. O calor que excede das usinas de cogeração é utilizado para o aquecimento do edifício, através de um aquífero em frente ao prédio. A água é aquecida por meio do calor excedente e bombeada de volta para o prédio. Com relação ao resfriamento do edifício, é aproveitada a água resfriada no inverno.

Divulgação

Commerzbank Headquarters, Frankfurt
Com 56 andares e 121 mil m², a torre do Commerzbank, projetada por Foster & Partners e inaugurada em 2007, é considerada o primeiro edifício de escritório ecológico do mundo. Em 1990, quando planejava a nova sede, o Commerzbank foi incentivado pelo Partido Verde a construir um arranha-céus verde. O projeto explora a natureza do ambiente de escritório, desenvolvendo soluções sustentáveis e novos padrões de trabalho. Um sky garden que desce pelo átrio central traz luz e ar fresco e é foco visual e social dos grupos de trabalho, recurso utilizado para reduzir a necessidade de luz artificial e energia para aquecimento e refrigeração. Seu desenho garante que os escritórios tenham vista para a cidade ou para o jardim. Foi o primeiro edifício alemão a usar o aço como principal estrutura.

Ospedale dell’Angelo, Veneto, Itália

Divulgação

Projetado em 2008 pelo arquiteto Emilio Ambasz, este prédio hospitalar com 117 m², o primeiro verde do mundo, inova já pela sua localização em área rural, mas que pode ser acessado por autoestrada ou trem. Foi idealizado de acordo com os princípios da humanização de forma a auxiliar na cura do paciente. Os blocos são unidos por jardins, que induzem a calma ao promover vistas agradáveis. Um lobby ajardinado, protegido pela cobertura de vidro, traz luz natural e renova o ar interno.

Fontes: Marcos Casado, gerente Técnico do GBC Brasil, e engenheiro Vanderley M. John, professor de desenvolvimento sustentável e reciclagem de resíduos da Universidade de São Paulo.