Absorvedor solar é tido como promessa para a próxima geração de células solares

 Um novo tipo de absorvedor termo-solar pode ajudar a guiar no desenvolvimento da  próxima geração de células solares de alta eficiência.

Desenvolvidos por engenheiros da universidade de Bristol e Exeter, a tecnologia utiliza carbono amorfo como uma camada intermediaria entre finos filmes de ouro, com o filme superior padronizado com uma matriz periódica 2D usando gravura de feixes de íons focalizados.

É dito como ser um dos primeiros exemplos de um absorvedor metasuperficie de camada tripla usando intercamada de carbono.

A metasuperficie de camada tripla ouro-carbono-ouro absorve fortemente luz através do espectro solar, todavia minimiza a emissão de radiação termal da estrutura.

O grupo afirma que o uso de ouro na pesquisa é o primeiro passo para uma metasuperficie de alta temperatura onde o ouro pode ser trocado por outro material refratável como o tungstênio ou cromo.

A célula que será usada para aplicações de energia heliotérmica e tem o potencial de alcançar temperaturas muito mais altas do que superfícies negras simples, já que pode minimizar a emissão de energia de radiação termal.

O alvo principal do projeto é desenvolver dispositivos solares termiônicos baseados em diamante, os quais usam luz solar para deixar superfícies suficientemente quentes que assim eles emitirão elétrons diretamente no vácuo. Se esses elétrons são coletados no anodo resfriado, energia elétrica pode ser produzida com eficiência máxima premeditada a ser muito maior do que é conseguido utilizado de células solares de silicone convencionais.

Fonte: The Engineer                          logo_pet2