MIT acaba de descobrir uma maneira de produzir grafeno em massa e em rolos

Um novo avanço no MIT permite aos pesquisadores produzir e enrolar longos rolos de grafeno de alta qualidade. O processo de fabricação pode produzir cinco centímetros de grafeno de alta qualidade por minuto. A tempo mais logo gasto foi quase quatro horas e  gerou cerca de 10 metros de grafeno contínuo.

MIT está chamando o desenvolvimento de “a primeira demonstração de um método industrial, escalável para a fabricação de grafeno de alta qualidade que é adaptado para utilização em membranas que filtram uma variedade de moléculas.” Estas membranas podem ser utilizadas na separação biológica ou dessalinização, por exemplo. Os pesquisadores retiraram da abordagem industrial comum rolo-a-rolo, misturada com deposição química de vapor, uma técnica comum de fabricação de grafeno.

O sistema deles é constituído por duas bobinas ligadas por uma correia transportadora, que corre através de um forno. De acordo com o MIT, aqui está como funciona: “O primeiro carretel se desenrola uma longa faixa de folha de cobre, porém com menos de um centímetro de largura. Quando ela entra no forno, a folha é alimentada através de um primeiro tubo e, em seguida, uma outra, numa concepção ‘da zona dividida’. Os rolos de folha através do primeiro tubo, que se aquece a uma determinada temperatura ideal, em que está pronto para rolar através do segundo tubo, em que os cientistas colocam na bomba uma proporção especificada de metano e gás de hidrogénio, os quais são depositados sobre o folha aquecida para assim produzir grafeno.”

MIT professor de engenharia mecânica John Hart, disse: “No processo fim-a-fim, seria necessário integrar mais operações na linha de fabricação. Por agora, temos demonstrado que este processo pode ser escalado para cima, e esperamos que isso aumenta a confiança e interesse em tecnologias de membrana à base de grafeno, e fornece um caminho para a comercialização.”

A revista Applied Materials e Interfaces publicou recentemente o trabalho; cientistas da Universidade de VanderbiltInstituto de Tecnologia da Califórnia e da Universidade Nacional de Cingapura contribuíram.

 

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário!

Fonte: Engenharia É

logo_pet2