Soluções digitais e manufatura aditiva estão transformando a GE Aviation no Brasil!

É só entrar em uma fábrica GE para notar que as tecnologias digitais e a manufatura aditiva estão revolucionando a maneira como produzimos. Em diversos lugares do mundo, engenheiros da GE desenham peças no computador e enviam os protótipos diretamente para impressoras 3D integradas aos sistemas de produção.

A verdade é que a manufatura aditiva está aumentando a eficiência e a produtividade da maior indústria digital do mundo — a previsão é que, até 2025, mais de 20% das soluções envolvam algum processo do tipo em sua produção. Soma-se a isso o uso de softwares, big data e do Predix e temos um grande acelerador da indústria digital.

Aterrissando na GE Celma, unidade da GE Aviation em Petrópolis (RJ) destinada à revisão e testes de motores aeronáuticos, a revolução digital está tomando forma. Por mês, chegam cerca de 15 mil ordens de reparo de peças, ou um volume gigante de pedidos para gerenciar e entregar aos clientes. Agora, um sistema de controle de produção digital interativo está gerando ganhos em eficiência e melhoria de performance para o processo. Os resultados? “O processo de revisão dos componentes dos motores CF6 sofreu uma redução de 28 dias para, em média, 17 dias. No caso dos motores CFM56, este tempo passou de 28 para 20 dias”, explica Gabriel Kinast, trainee do programa OMLP (Operations Management Leadership Program) na GE Aviation — inclusive, o projeto de redução do ciclo de reparo da unidade faz parte de uma de suas rotações do Programa de Liderança da GE.

“Estamos em um momento desafiador, cujo foco é avaliar os processos e ver o que podemos simplificar com ferramentas digitais e tecnologias como a manufatura aditiva, sempre pensando no fluxo de informações e na análise de dados, para reduzir o tempo das operações e otimizar o ciclo dos produtos”, comenta Gabriel Kinast.

Ainda, desde 2015 a unidade conta com duas impressoras 3D que são fundamentais na hora de construir protótipos e esculpir ferramentas utilizadas na área de reparo. No modo tradicional, o processo envolvendo o desenho e a construção de uma ferramenta leva cerca de 60 dias. Com a manufatura aditiva, é possível vê-la pronta para entrar em ação em menos de 24 horas.

“Além de nos beneficiar em qualidade e produtividade, a manufatura aditiva agrega um fator importante para a produção que é a versatilidade. A impressão 3D nos abre um leque enorme de possibilidades de inovação na manufatura, o que é essencial para o desenvolvimento das soluções da GE Aviation”, diz Gabriel.

O voo rumo ao futuro digital fica cada vez mais alto, mas, quais os próximos passos? Gabriel responde: “Estamos trabalhando em um projeto de migração da inspeção dimensional de peças que eram realizados com instrumentos manuais de medição para sistemas digitais utilizando técnicas de visão computacional. Estes sistemas conectados possibilitam uma melhor visualização das etapas do processo, fornecendo agilidade e dando aos profissionais mais recursos para avaliar e tomar decisões por meio de um acervo digital do processo de inspeção de peças”.

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário!

Fonte:  GE Reports

logo_pet2