Energisa aposta em sinergias no novo corredor Noroeste

A maior vencedora do leilão de privatização das distribuidoras da Eletrobras, a Energisa, vê a possibilidade de sinergias e aposta em seu expertise para ser mais eficiente nas duas novas fronteiras conquistadas na tarde desta quinta-feira, 30 de agosto. A companhia foi a única a apresentar índices de desconto de flexibilização tarifária de acordo com o edital de venda do BNDES mas sem bônus de outorga. O aumento de capital obrigatório é de R$ 492,6 milhões.

Os deságios apresentados pela empresa foram de 21% para a Ceron e de 31% para a Eletroacre. Esses índices referem-se à flexibilização tarifária concedida pela Aneel através da resolução homologatória no. 2349/2017 que autorizou reajustes para as concessionárias que estavam em dificuldades para encontrar o equilíbrio financeiro. Sobre este reajuste será aplicada uma redução de 3,27% para a Eletroacre e de 1,75% para a Ceron.

De acordo com o presidente do Grupo Energisa, Ricardo Botelho, os ganhos da empresa deverão dar-se por meio da redução de perdas e inadimplência nas distribuidoras e, no caso das companhias arrematadas, pela sinergia geográfica que a companhia conseguiu. Agora a empresa detém um ‘corredor noroeste’ que liga os estados que fazem divisa e que vão do Acre, passa por Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, sem esquecer do estado de Tocantins, esses herdados do Grupo Rede anos atrás.

Além disso, no caso das duas empresas outro ponto que chamou a atenção da companhia é a perspectiva de crescimento do mercado que ambos possuem. Botelho confidenciou ainda que a empresa esperava ver a participação da Equatorial nessa disputa, fato que não ocorreu.

“A sinergia geográfica ajuda muito, conhecemos a região por estarmos próximos àqueles estados. Eu diria que a forma de atuar e métodos construtivos são semelhantes e a proximidade traz essa possibilidade de sinergias”, afirmou o executivo. “É uma região difícil sim e tem que ter capacidade operativa, de investimento, engenharia e atendimento ao consumidor. Temos essa capacidade, começamos pequenos em Cataguases em 1905 e digo que temos no Tocantins e no Mato Grosso regiões com a mesma conformação espacial dessas novas concessões”, acrescentou.

Além dos valores de investimentos iniciais obrigatórios, a empresa ainda pagará R$ 45.500,01 por 90% das ações da Eletrobras na Ceron e, pelo mesmo valor, 87,65% das ações na Eletroacre. O restante das ações serão adquiridas caso haja sobras no processo de oferta de ações aos empregados, conforme o edital de privatização. Com mais essas concessões a Energisa chega a 11 distribuidoras no grupo espalhadas pelas cinco regiões geográficas do país.

Amazonas Energia

O presidente do Grupo Energisa afirmou que a empresa não disputará o leilão da Amazonas Energia, previsto para ocorrer no próximo dia 26 de setembro. Segundo ele, a companhia, que agora possui 11 distribuidoras no Brasil, não entrará na disputa. Ele comentou que a Energisa já vinha estudando as duas concessionárias há dois anos e que no caso da Ceal ainda não há uma decisão tomada até em função da decisão judicial que ainda está em andamento.

Fonte: www.canalenergia.com.br         logo_pet2

 

E aí? Curtiu a notícia? Deixe seu comentário!