Carros elétricos movidos a energia solar: realidade ou sonho?

O sonho tem várias décadas – veículos que usem a energia solar para locomover-se e que sejam viáveis em termos de custos e funcionalidade.

As últimas novidades provêm da Solar Team Eindhoven, um grupo de estudantes de engenharia da Universidade Técnica de Eindhoven, na Holanda, que após construir os protótipos Stella e Stella Lux, foi mais longe, criando a Lightyear, uma startup destinada a desenvolver, produzir e comercializar um veículo solar para circular na via pública.

A confiança da Lightyear no projecto é tal que a empresa até já está a aceitar reservas para as 10 unidades a produzir em 2019, através de um depósito reembolsável de €19.000 euros, ou seja, 15% do preço estimado do veículo (€119.000). Se tudo correr como esperado, no ano seguinte serão produzidas mais 100 unidades.

Aproveitar a energia solar para os carros

O Sol é a fonte de toda a energia existente na Terra. Mesmos os veículos com motor de combustão interna, ao usarem o petróleo, não estão mais que a utilizar a energia solar condensada nos depósitos de hidrocarbonetos orgânicos liquefeitos a altas pressões – com o grande inconveniente de ser uma fonte de energia não renovável, que, ao ritmo de consumo atual, se esgotará em cerca de meio século. Por isso, o ideal (e isto não se circunscreve apenas aos veículos automóveis) seria aproveitar toda a energia solar, sem “intermediários”.

O uso de painéis solares fotovoltaicos para converter a energia do Sol em eletricidade é cada vez mais comum, mesmo em residências particulares. Referência para a portuguesa central solar fotovoltaica de Amareleja – a maior central solar do mundo com uma capacidade instalada de 46,41 megawatts (MW) pico e 35 MW de potência de injeção na rede.

Um especialista na matéria disse um dia que, se se instalasse no deserto do Sara um campo de painéis fotovoltaicos com dimensão adequada, ocupando uma percentagem ínfima do deserto, seria possível satisfazer todas as necessidades de energia elétrica da Europa. Porém, o que é válido para o Sara não é facilmente transponível para um veículo automóvel, cuja área exterior é (ou era, pelo menos até agora) insuficiente para cobrir com os painéis necessários para mover o veículo – os atuais protótipos de veículos solares são carros enormes que transportam a custo uma ou duas pessoas e dependem da existência de imensa luz solar para andarem.

Os painéis solares já são usados em alguns automóveis elétricos e híbridos, como o Nissan Leaf e o Toyota Prius Plug-in. Mas até aqui, estes sistemas, montados no tejadilho do carro, pouco mais fazem do que alimentar vários sistemas elétricos, como o ar condicionado. A Panasonic, que produz painéis fotovoltaicos para automóveis, diz que estes podem ampliar ligeiramente a autonomia do automóvel em três a seis quilómetros, o que pode ajudar à circulação urbana.

Carros movidos a energia solar dependem da inovação da tecnologia

Porém, a Lightyear, de uma penada, propõe uma volta de 180º na presente situação. Não se sabe, para já, como resolveu o problema de um automóvel de dimensões convencionais não possuir uma suficiente área extensa para, com a atual tecnologia de células fotovoltaicas, gerar a potência necessária para fazer mover um veículo cujo peso dificilmente não superará a tonelada – mesmo que tenha uma boa aerodinâmica e seja construído em materiais leves. Mas a empresa garante ter criado um “automóvel elétrico que se carrega a si próprio, com energia solar limpa”.

Mais: “Em condições de sol, pode circular durante meses sem ser recarregado, uma capacidade verdadeira única. A bateria armazena energia para que seja possível circular à noite.”

Carro solar com autonomia para 10 ou 20 mil kms anuais

O modelo pretende ser capaz de gerar energia suficiente para percorrer entre 10.000 e 20.000 km anuais, dependendo da região do globo em que se encontre, logo, do clima e horas de sol de que disponha. Uma curiosidade: o nome da empresa tem por inspiração o número de quilómetros que compõem um ano-luz (9.460.730.472.580,8km), os mesmos que, anualmente, são percorridos no planeta por veículos com motores térmicos. E que a Lightyear pretende que possam ser percorridos, a partir de 2035, por veículos alimentados por energia solar.

Fonte: Sol Central

logo_pet2