Apetite global por energia subirá 56% até 2040

size_590_Shangai

Emissões associadas à geração e consumo de energia deverão crescer 46% nas próximas décadas

O consumo mundial de energia vai crescer 56% até 2040, prevê um novo relatório Agência Internacional de Energia (AIE), divulgado nesta quinta-feira. A maior parte desse incremento virá de países de fora da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), onde o apetite energético é estimulado pelo rápido crescimento econômico, como China, Índia, Brasil e África do Sul.

Apesar das energias renováveis e nuclear serem as fontes que mais crescem no mundo, com expansão de 2,5% por ano, o documento International Energy Outlook 2013 (IEO2013) estima que os combustíveis fósseis continuarão a fornecer cerca de 80% da demanda mundial nos próximos trinta anos.

Nessa seara, o gás natural é o combustível fóssil que mais cresce, a uma taxa de 1,7% ao ano. Segundo a agência, o aumento da oferta de gás natural, incluindo de xisto (veja as maiores reservas de gás de xisto), ajudarão a atender a alta da demanda.

AEO_2013_thumb_slanted

Relatório prevê que os combustíveis fósseis continuarão a garantir quase 80% da demanda

Para o carvão, o relatório prevê crescimento maior do que o de petróleo e outros combustíveis líquidos, pelo menos até 2030, principalmente devido ao aumento no consumo da China. O setor industrial continuará a representar a maior fatia do consumo de energia, recebendo metade da energia total entregue em 2040.

Disparada nas emissões

O crescimento econômico das nações em desenvolvimento como o Brasil, alimentado por uma dependência contínua de combustíveis fósseis, será responsável por um salto relevante nas emissões de gases efeito estufa.

Levando em conta as políticas e normas vigentes que regem o uso de combustíveis fósseis, as emissões de carbono associadas à geração e consumo de energia em todo o mundo deverão aumentar em 46% nos próximos 30 anos, em relação às emissões de 2010.

Como o mundo ainda se recupera dos efeitos da recessão global de 2008-2009, a AIE sublinha que muitas das questões econômicas ainda não resolvidas acrescentam um fator de incerteza à avaliação de longo prazo dos mercados energéticos mundiais.

Fonte: Examelogopet